Dilma Rousseff Enfrenta o Julgamento de Impeachment

Presidente Dilma Rousseff será julgada após o Senado ter votado pelo impeachment. Dilma é acusada de manipular ilegalmente finanças para esconder um déficit público crescente à frente de sua reeleição em 2014. Senadores votaram a favor da suspensão de Dilma por 55 votos a 22, após uma sessão durante toda a noite que durou mais de 20 horas.

Vice-presidente Michel Temer vai agora assumir a presidência, enquanto o julgamento de Dilma ocorre. O julgamento pode durar até 180 dias, o que significa Rousseff pode estar suspensa durante os Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro, que começam no dia 5 de agosto. Rousseff fez um apelo de última hora para o Supremo Tribunal para parar o processo, mas o pedido foi rejeitado. Sua suspensão traz um fim a 13 anos de governo do Partido dos Trabalhadores.

Rousseff, 68, que foi empossada pela primeira vez para o cargo em janeiro de 2011 e iniciou um segundo mandato em 2015, chamou os passos para removê-la de um “golpe”. Em um discurso no final da noite para toda sessão do Senado, o procurador-geral, José Eduardo Cardozo, disse que o pedido de impeachment não tinha base jurídica e que a oposição queria remover uma presidente democraticamente eleita.

Ele disse que os senadores estavam condenando uma “mulher inocente” e que o impeachment foi uma “injustiça histórica”. Michel Temer se tornou presidente interino, logo que Dilma foi suspensa.

O professor de Direito de 75 anos e de origem libanesa foi vice-presidente de Rousseff e foi uma figura chave na agitação recente. Ele é presidente do maior partido do Brasil, o PMDB, que abandonou a coalizão março. Nos últimos meses, seu papel tornou-se ainda mais influente; em uma gravação WhatsApp que vazou em abril, ele delineou como o Brasil precisava de um “governo para salvar o país”.

Todos os 71 senadores presentes na votação fez o seu caso a favor ou contra impeachment em intervalos de 15 minutos. Eles terminaram às 05:45 hora local (08: 45GMT), mais de 20 horas após a sessão ser sido aberta. No Senado, os argumentos dados para o impeachment foram principalmente econômico; muitos culparam a presidente Dilma Rousseff sobre o estado da ruim da economia do país.  O Brasil está sofrendo sua pior recessão em 10 anos, o desemprego chegou a 9% em 2015 e a inflação está em uma elevação de 12 anos.

“Os governos populistas sempre agiu com irresponsabilidade fiscal e quando eles não conseguem eles apelam para o velho ‘nós contra eles” argumento “- o senador Aécio Neves, que perdeu para Dilma na eleição presidencial de 2014.

    “A destituição é uma tragédia para o país é um remédio amargo mas necessário.  Mas manter o governo da Rousseff seria uma tragédia maior para o Brasil, seria insuportável…” – Senador da oposição José Serra, candidato a ministro das Relações Exteriores sob o Sr. Temer.


    O ex-jogador de futebol que virou senador, Romário, disse que o Brasil estava em “uma crise muito grave” antes de revelar que “depois de pensar muito” ele decidiu apoiar o processo de impeachment.

Aqueles argumentando contra o impeachment da Rousseff, primeira mulher presidente do Brasil, repetiu seus comentários que era equivalente a um golpe de Estado. “A elite brasileira, a classe dominante, o que mantém o tratamento deste concelho como se fosse seu domínio hereditário, não aprecia a democracia” – Humberto Costa, líder do Partido dos Trabalhadores no Senado.

    “Hoje estamos vendo uma tentativa de tomada do poder que se chama impeachment” – Senador Telmario Mota, que disse que o processo de impeachment “nasceram de ódio e vingança”.

    O Senador do Partido dos Trabalhadores Fátima Bezerra chamou o processo “uma farsa”, acrescentando: “Aqueles que apoiam este golpe de Estado não vai nunca ser perdoado”.

Os brasileiros estão extremamente divididos e a polarização entre grupos que são a favor e contra o impeachment pode ser visto nos meios de comunicação social e em protestos de rua. Na noite passada, houve protestos em todo o país e, embora muito menor do que esperado, houve cenas de confronto entre grupos opostos. A polícia recorreu a gás lacrimogéneo e spray de pimenta para conter as brigas.

Espera-se que Dilma vai deixar o palácio presidencial esta manhã e, após um curto discurso, uma mensagem de vídeo dela para a nação será publicada online. O vídeo é esperado para enquadrar o processo de impeachment nos termos mais fortes como um golpe de estado e fazer o ponto que o Sr. Temer está tomando conta do escritório sem ter sido eleito em uma votação popular legítima.

Analistas da imprensa brasileira têm questionado como isso vai repercutir entre o público. Por um lado, os movimentos sociais, como sindicatos nacionais e grupos de trabalhadores sem-terra disseram que vão “paralisar” o país. Mas, por outro, é importante lembrar os seus líderes estavam em contato com o Sr. Temer semanas tentando negociar.

Muitos desses grupos se reunirão para apoiar Dilma quando ela deixar o palácio presidencial, mas não é certo como o povo vai reagir durante todo o dia e como será a popularidade do novo governo que irá substituir a Dilma, uma vez que assume o cargo.

A website da esquerda, Diário do Centro do Mundo, registra seu descontentamento com a manchete “Com um placar de 55 a 22, o golpe é aprovado e Temer ocupa a presidência”. Em geral, a imprensa menor, de esquerda tem sido mais lenta para publicar sua resposta ao final do que tem sido muitas vezes referido como Casa da vida real do Brasil.

O jornal de centro-direita Folha de São Paulo lidera com o título “Dilma é removida”. Sua cobertura observa que esta é a segunda vez desde o fim da ditadura militar do Brasil que um presidente foi removido.


 

http://www.bbc.co.uk/news/world-latin-america-36273916


Tópicos Relacionados


Deixe seu comentário



Speak English?

Marcia and Jon have launched a new website in English for people who want to Go 2 London!. New for 2014, more pages added daily.