Grã-Bretanha Votou para Sair da União Europeia – O Que Acontece em Seguida?

3500O valor da Libra Esterlina caiu significamente, este é um bom momento para visitar o Reino Unido.

Depois de rejeitar a união, a Grã-Bretanha deve decidir na saída do mercado único. O Primeiro Ministro renunciou. As consequências a longo prazo de uma votação será chocante, mas nada irá mudar imediatamente.

 

Foto: Reuters

Essa é uma decisão histórica do Reino Unido para acabar com sua relação de amor e ódio de 43 anos com a União Europeia representando um ponto de viragem na história britânica comparado com as duas guerras mundiais do século 20.

Partindo do pressuposto de que não há como voltar atrás, a Grã-Bretanha vai viver com as consequências políticas, constitucionais, diplomáticas e económicas por uma década ou mais.

O pino no atlas que marcam o lugar do Reino Unido no mundo mudou, assim como os centros de poder na política do Reino Unido. Todos os pontos familiares de autoridade na sociedade de Londres – Downing Street, um grande negócio, especialização económica, o establishment da política externa – foram rejeitado pelo equivalente de uma bomba de fragmentação popular.


Então, o que acontece a seguir?

A política
A escala da destruição provocada pelo dia da independência é tal que um dos últimos redutos do estabelecimento de pé esquerdo – o serviço público liderado pelo secretário de gabinete Sir Jeremy Heywood – vai agora assumir o centro do palco.

O secretário de gabinete Sir Jeremy Heywood em conjunto com o governador do Banco de Inglaterra, Mark Carney, e David Cameron atuando como primeiro-ministro interino pediram calma para evitar o caos que é susceptível de acontecer.

O primeiro-ministro não pode sair até que ele possa aconselhar a rainha sobre o nome do seu sucessor. De qualquer maneira, o líder trabalhista Jeremy Corbyn provavelemte sairá do governo.

Cameron prometeu durante a campanha que, se houvesse uma votação para sair da união, ele iria acionar o artigo 50, a parte do Tratado de Lisboa que define em marcha um processo de dois anos através do qual um Estado-Membro pode notificar o Conselho da União Europeia da sua decisão de sair.

 

Então a campanha de saída irá enfrentar uma escolha entre manter a sua promessa de retirar-se do mercado único e assim acabar com a livre circulação de pessoas.

O parlamento do Reino Unido não será o único ator, a UE, vai querer agir de forma decisiva, algo que raramente faz.


Com as eleições francesas e alemãs no próximo ano, um esforço franco-alemão para aprofundar a união fiscal e monetária da zona do euro – através da partilha de recursos e elaboração de regras económicas mais estrita comuns.

De qualquer maneira, a UE pode dar-se ao luxo de dar ao Reino Unido um passeio fácil nas negociações. Essas negociações vão levar tempo para organizar e delinear. Os presidentes da Comissão Europeia e do Conselho Europeu deseja que o ‘divórcio’ seja mantido para além de um acordo sobre as relações comerciais futuras.

Qualquer acordo de divórcio iria se concentrar em questões orçamentais mundanas como responsabilidades com pensões, imóveis e outros bens. Ele também abrangeria os direitos dos cidadãos da UE com base no Reino Unido e vice-versa.

um aspecto principal será saber se as empresas financeiras sediadas no Reino Unido perdem o seu “passaporte” da UE, segundo o qual as empresas registadas em um Estado-Membro estão autorizados a fazer negócios em todo o bloco, sem necessidade de qualquer outra autorização.

Separadamente, as negociações comerciais de maior estaca irá analisar se o Reino Unido se junta novamente ao acordo de livre comércio europeu existente ou se ficará fora do tratado de livre comércio.

Além disso, haverá negociações com o governo irlandês, a Commonwealth, a NATO e inúmeros outras instituições. O sucesso destas negociações complexas vai depender da química da relação entre o Reino Unido e a Europa após a saída.

Que por sua vez vai depender se Cameron pode restaurar as relações com os dois velhos amigos que o derrotou, Gove e Boris Johnson. O futuro está em águas desconhecidas. Mas para os brasileiros não há mudança, se a libra esterlina continuar fraca devido a saída da UE, economicamente beneficia o Brasil e os brasileiros.

Importante: No momento brasileiros com passaporte europeu que já estão no Reino Unido possivelmente poderão continuar morando no Reino Unido. No momento nada mudou. Vai levar em torno de 2 anos para concluir o plano da saída do Reino Unido da União Europeia.

 

Foto: Reuters

http://www.theguardian.com/politics/2016/jun/24/britain-has-voted-to-leave-the-eu-what-happens-next


Tópicos Relacionados


Deixe seu comentário



Speak English?

Marcia and Jon have launched a new website in English for people who want to Go 2 London!. New for 2014, more pages added daily.